IMUNOTERAPIA NO TRATAMENTO DO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO

By Equipe Dr. Alexandre 2 meses agoNo Comments
Home  /  Blog  /  IMUNOTERAPIA NO TRATAMENTO DO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO

De acordo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), a cada ano, são diagnosticados 43 mil novos casos de cânceres que envolvem as regiões da cabeça e pescoço. A situação complexa e agressiva da doença exige investimentos em pesquisas e tratamentos avançados.

A imunoterapia trouxe uma nova e interessante perspectiva, tornando-se uma realidade contra a doença. O estudo KEYNOTE-048, publicado na revista The Lancet, em 2019, demonstrou que o uso da imunoterapia em pacientes com cânceres recidivados ou metastáticos de cabeça e pescoço melhorou a sobrevida dos pacientes.

Veja a seguir tudo o que você precisa saber sobre o assunto:

O QUE É A IMUNOTERAPIA E COMO FUNCIONA?

As primeiras pesquisas sobre a imunoterapia datam de 1881, mais de um século atrás, utilizando bactérias para estimular as defesas do corpo a responderem a um tecido com câncer.

A imunoterapia é um tipo de tratamento biológico que tem o objetivo de potencializar o sistema imunológico de maneira que este possa combater infecções e outras doenças como o câncer.

A imunoterapia em câncer de cabeça e pescoço é um tipo de tratamento promissor recentemente aprovado para ser realizado no Brasil.

Ela atua diretamente nas células imunes, fazendo com que elas sejam capazes de combater o câncer. É um tratamento com grande potencial de eficácia e ainda com menores efeitos colaterais, sendo indicado nos casos de tumores avançados e recidivados.

Os imunoterápicos buscam bloquear os fatores que inibem o sistema imunológico de reconhecer o câncer como algo estranho e aumentam a resposta imune.

O tratamento com imunoterapia não é indicado para todos os casos de câncer de cabeça e pescoço. Por isso, é de extrema importância contar com a equipe médica que poderá avaliar qual a melhor alternativa para cada caso.

QUAL A DIFERENÇA ENTRE IMUNOTERAPIA, QUIMIOTERAPIA E TERAPIA-ALVO?

A imunoterapia comporta-se de forma distinta daquela promovida por qualquer outro tipo de tratamento oncológico. Ao passo que os mecanismos de ação contra o tumor oferecidos pela quimioterapia e pelos remédios de alvos moleculares fundamentam-se em atacar as células tumorais diretamente, a imunoterapia auxilia o próprio sistema imunológico do paciente a identificar e combater o câncer.

TODOS OS TIPOS DE CÂNCER SÃO TRATADOS COM IMUNOTERAPIA?

A imunoterapia não se aplica a todos os casos. A indicação tem relação com tipo de tumor e a fase do tratamento em que o paciente se encontra. Atualmente, no Brasil, existem medicamentos imunoterápicos aprovados para certos tipos de câncer de pulmão, bexiga, rim, estômago, cabeça e pescoço, melanoma e alguns subtipos de cânceres de mama e pele.

QUAIS AS FORMAS DE ADMINISTRAÇÃO DOS IMUNOTERÁPICOS?

A administração vai depender do tipo de imunoterapia. Contudo, as maneiras mais comuns de aplicação são:

  • Subcutânea: por injeção no tecido subcutâneo;
  • Intravenosa: por injeção no tecido subcutâneo.

QUAIS SÃO OS EFEITOS COLATERAIS?

A imunoterapia é um tratamento com menor impacto na qualidade de vida do paciente, pois os efeitos colaterais costumam ser menores que aqueles sentidos na quimioterapia convencional.

Os sintomas mais frequentes são:

  • Falta de disposição;
  • Manchas na pele;
  • Coceira;
  • Diarreia.

A imunoterapia não provoca efeitos colaterais na produção de glóbulos brancos. Desse modo, o risco de infecção e internação é significativamente menor.

SAIBA MAIS

Para mais informações sobre doenças, tratamentos, e muito mais, acesse o meu Instagram clicando aqui, e veja as outras notícias do meu site clicando aqui.

Category:
  Blog
this post was shared 0 times
 000

Leave a Reply